Dois pinguins são encontrados mortos com ‘sinais de crueldade’ em Florianópolis

0
99

Dois pinguins-de-Magalhães foram encontrados mortos com “sinais de crueldade” na Praia de Canasvieiras, em Florianópolis, de acordo com a organização R3 Animal, que realiza o monitoramento de praias na capital catarinense. Uma das aves estava com o crânio fraturado e a outra tinha uma corda no pescoço, com uma pedra na outra extremidade para manter o animal submerso.

A organização informou que vai encaminhar o caso para a Polícia Militar Ambiental.

Dois pinguins-de-Magalhães mortos na areia da Praia de Canasvieiras, em Florianópolis — Foto: Mari Garcia/Arquivo pessoal

Dois pinguins-de-Magalhães mortos na areia da Praia de Canasvieiras, em Florianópolis — Foto: Mari Garcia/Arquivo pessoal

As duas aves foram resgatadas pela Guarda Municipal e levadas ao Centro de Pesquisa, Reabilitação e Despetrolização de Animais Marinhos (CePRAM/R3Animal), onde passarão por exame necroscópico. O resgate ocorreu na tarde de quinta-feira (8) e foi divulgado nesta sexta-feira (9).

Os pinguins são da espécie Spheniscus magellanicus. A organização afirmou que nesta época é comum que algumas aves não consigam sobreviver à jornada desde a Patagônia e uma parte é capturada de forma não intencional por redes de pesca. Porém, geralmente os animais não são feridos de forma proposital.

Orientação aos banhistas

Caso encontre um animal marinho ferido ou morto na praia, a R3 Animal orienta:

  • ligue para o Projeto de Monitoramento de Praias, no telefone 0800-642-3341
  • afaste animais domésticos, que podem ferir ou transmitir doenças
  • não coloque pinguins no gelo ou force a volta deles ao mar
  • caso o animal seja um pinguim, você pode cobri-lo com uma toalha para aquecê-lo e colocá-lo numa caixa de papelão. Cuidado com o bico

Na quinta, a organização também atendeu ao caso de uma baleia-jubarte encontrada morta enrolada a redes de pesca. O corpo estava na Praia do Campeche, no Sul da Ilha.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Avalie*
Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui