Funcionário do governo de SP é flagrado em fiscalização na praia durante fase emergencial; secretaria exonera servidor

0
114

O servidor público Lucas Maia Zilioli, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de São Paulo, foi exonerado nesta quarta-feira (14) após ser flagrado pelo programa Profissão Repórter em uma fiscalização da Guarda Civil Metropolitana de São Sebastião, no litoral norte do estado, no dia 28 de março.

O funcionário estava na praia de Juquehy e foi abordado por fiscais porque a fase emergencial da quarentena estadual, que estava em vigor naquela data, proíbe o uso das praias.

Procurada pelo G1, a pasta informou que a exoneração de Lucas Maia Zilioli, que se apresentava como “diretor administrativo e financeiro” da pasta nas redes sociais, foi oficializada nesta quarta-feira (14), a critério da administração. A secretaria disse ainda que “lamenta o ocorrido” e que “as condutas individuais de servidores não refletem o posicionamento da Secretaria e do Governo do Estado de São Paulo”.

Durante a ação, os guardas explicaram aos turistas que apenas atividades esportivas individuais, como corrida e natação, estavam permitidas. Eles abordaram pessoas que tinham cadeiras e guarda-sóis nas areias e orientaram que a atividade descumpria a lei.

No litoral paulista, agentes fiscalizam movimento das praias durante feriado de 10 dias

Questionado por um dos guardas, Lucas Maia falou que se sentia mais seguro na praia do que na capital.

“Eu entendo as medidas, mas eu acho que depende muito do lugar. Aqui acho um lugar seguro. Acho que aqui não tem aglomeração. Eu me sinto mais seguro aqui do que em São Paulo no dia a dia pegando metrô, que eu me sinto muito mais exposto do que aqui”, disse Maia à reportagem.

A secretaria do Desenvolvimento Econômico coordenou a criação e a execução do Plano São Paulo, que regula as restrições econômicas no estado durante a quarentena. O plano utiliza dados da Secretaria da Saúde para determinar os diferentes níveis de restrições.

O estado de São Paulo entrou na fase emergencial da quarentena em 15 de março. Esta fase proíbe a permanência nas praias de todo o estado.

O governador João Doria (PSDB) e outros integrantes do governo alertaram em coletivas que as pessoas não deveriam encarar o feriado antecipado na capital paulista, de 26 de março a 4 de abril, criado pelo prefeito Bruno Covas, como motivo para viajar rumo ao litoral. O governo chegou a, inclusive, suspender a operação descida do sistema Anchieta-Imigrantes para desestimular viagens.

Os prefeitos do litoral paulista também se manifestaram pedindo que turistas não fossem para a praia durante o período de maiores restrições. “Não venham para a Baixada”, pediu o prefeito de Santos pouco antes do feriado prolongado na capital”.

Já a prefeitura de São Sebastião, onde o servidor foi flagrado, fez barreiras sanitárias na estrada para tentar evitar a entrada de visitantes no feriado que ocorreu em meio à fase emergencial. A medida provocou filas de até 4h na entrada da cidade.

Desde a última segunda-feira (12 de abril) o estado está na fase vermelha, que permite o funcionamento de praias, mas algumas cidades do litoral paulista mantiveram as restrições de acesso à orla por meio de decretos municipais.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Avalie*
Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui