Morre tartaruga gigante que encalhou em praias da Bahia; espécie está ameaçada de extinção

0
11

A tartaruga-de-couro que encalhou em praias do sul da Bahia no último dia 15 morreu na manhã desta segunda-feira (26). Segundo o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), o animal estava em estado crítico e foi tomada uma série de medidas para tentar salvá-lo, mas ele acabou não resistindo.

No sábado (24), a tartaruga tinha sido levada para a sede do Projeto Tamar, em Mata de São João, região metropolitana de Salvador, para receber os cuidados necessários de reabilitação. Sua espécie, também conhecida como tartaruga gigante, está ameaçada de extinção.

O animal era uma fêmea adulta com cerca de 2 metros e 300 kg, e tinha recebido o apelido de “Esperança” após ser salva de um encalhe pela primeira vez por ambientalistas. Ela foi encontrada com uma das nadadeiras dianteiras amputadas. Ela estava debilitada quando foi encontrada e foi estabilizada pelos ambientalistas.

Após a avaliação, ela foi devolvida à natureza, em uma praia onde o mar é mais calmo, sem ondas. Mas voltou a encalhar e foi novamente resgatada por ambientalistas na última quinta-feira (22), na praia de Piracanga, em Maraú, distante quase 150 km de Ilhéus.

O Projeto Tamar, em conjunto com o Inema e a ONG Coração de Tartaruga, iniciou articulação com as faculdades de veterinária da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da União Metropolitana de Educação e Cultura (Unime), que são parceiras, para que possa ser feita uma necropsia e entender melhor o encalhe. Eles também buscam mais informações para a conservação da espécie.

Período reprodutivo

 

Tartaruga gigante ameaçada de extinção que encalhou em praias da Bahia é levada para projeto Tamar — Foto: Inema / Divulgação

Tartaruga gigante ameaçada de extinção que encalhou em praias da Bahia é levada para projeto Tamar — Foto: Inema / Divulgação

Conforme informações do Projeto (A)mar, a tartaruga-de-couro é uma espécie oceânica e se aproxima da costa durante o período reprodutivo. Mesmo sendo rara, animais da espécie com o mesmo tipo de amputação (sem uma das nadadeiras) têm sido encontrados pelo país.

De acordo com os ambientalistas, tartarugas-de-couro conseguem sobreviver em vida livre mesmo com uma só nadadeira dianteira, como vivia a tartaruga que morreu nesta segunda.

 

site do café

DEIXE UMA RESPOSTA

Avalie*
Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui