Secretário de Meio Ambiente queima material apreendido na Praia do Perigoso, no Rio

0
216

Em ação da Secretaria Municipal de Meio Ambiente na praia do Perigoso, na Zona Oeste do Rio, o secretário Eduardo Cavaliere e agentes de fiscalização decidiram queimar barracas, mesas de plástico e outros materiais apreendidos.

Especialistas em direito ambiental dizem que o ato é uma infração ambiental – a prefeitura nega (entenda abaixo).

Cavaliere aparece em imagens jogando pedaços de madeira na fogueira. O local é uma área de preservação ambiental localizada entre Grumari e Barra de Guaratiba. Os únicos acessos são por trilha ou de barco.

A operação da secretaria foi realizada para acabar com acampamentos no local e impedir a venda de produtos ilegais.

O site do governo municipal informou a quantidade queimada: duas toneladas de materiais irregulares.

“O fato de a secretaria promover essas medidas de fiscalização principalmente nessa área de praias, que é uma área muito confusa, é uma boa medida. Agora, incendiar aquelas peças todas é completamente equivocado e errado. Se nós formos no rigor da legislação, queimar resíduos sólidos ao ar livre é uma infração ambiental. E principalmente ali naquele caso que era muita coisa de plástico e tudo isso é altamente poluidor”, afirmou o advogado e professor de direito ambiental Paulo Bessa.

Em postagem nas redes sociais, a ONG Amigos do Perigoso criticou a ação das autoridades: “Esse é o exemplo que eles dão, queimando, onde o certo seria reciclar ou apreender de forma legal. Dessa maneira a gente não educa, não conscientiza ninguém”.

Segundo o professor de direito ambiental, esse aspecto pedagógico é ainda mais relevante.

“Toda ação, por exemplo, da Comlurb, da fiscalização ambiental, é sempre contra queimar resíduos ao ar livre e há todo um movimento para que as pessoas evitem fazer isso. Quando a própria secretaria do meio ambiente faz essa ação de queimar resíduos em ar livre, isso me parece completamente equivocado. Uma infração ambiental cometida pelo próprio órgão de controle“, disse o professor.

O que diz a prefeitura

 

A prefeitura afirma que um decreto federal de 2008 permite destruir ou inutilizar produtos usados na prática de infração, quando o transporte e a guarda deles forem inviáveis. Segundo os agentes, a capacidade de embarcação se esgotou.

 

site do café

LEAVE A REPLY

Avalie*
Please enter your comment!
Please enter your name here